Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SAPO Blogs

Este é o blog da equipa do SAPO Blogs.

SAPO Blogs

Este é o blog da equipa do SAPO Blogs.

Comentários mais seguros e rápidos

Um blog não é feito apenas de posts, também vive dos comentários feitos pelos seus leitores. Sabemos o quão importante esse feedback é para a motivação de muitos dos nossos autores, pelo que esta manhã introduzimos algumas melhorias ao formulário de comentários que tornam mais seguro e fácil comentar um blog SAPO.

 

comentarios.jpg

 

A mudança mais visível é para os autores e leitores que queiram autenticar-se nos comentários. A partir de hoje, a autenticação passa a ser feita exclusivamente na página de login do SAPO. Deixa de ser possível inserir dados de login na página do post que queiram comentar. Esta alteração aumenta a segurança dos dados de sessão, que são processados em exclusivo e de forma segura pelo SAPO ID, e diminui a inconveniência que é repetir a autenticação em vários blogs.

 

captcha.jpg

Achamos uma seca obrigar alguém a "provar" que é humano para poder publicar um comentário, pelo que aproveitámos esta oportunidade para fazer algo em relação a isso. Não acabámos com o nosso CAPTCHA, que serve para diferenciar humanos de computadores programados para publicar SPAM, mas tornámo-lo mais inteligente, de maneira a aparecer menos vezes e a menos leitores sem baixar as defesas ao SPAM. Isto facilita a vida a qualquer leitor, autenticado ou não, que queira comentar um blog SAPO sem complicações.

 

Posto isto, estamos ansiosos por ler os vossos comentários, com as vossas sugestões e tudo o que acharem que pode melhorar a experiência de utilização do SAPO Blogs.

Meet the blogger: António (Bolas e Letras)

Antonio.jpg

Fomos conhecer um pouco melhor o autor do blog Bolas e Letras, no SAPO desde 2008.

 

Quem é o António?

Sou um tipo normal que não gosta muito de falar de si, mas ter um blog é também isso, pelo que vamos em frente! Como se perceberá pelo título do blog e como dizia o poeta tenho muitos “eus”. Tenho quarenta anos mas gosto de me sentir como se tivesse 20, porque a criança dentro de mim teima em manter a chama acesa. Sou um olivalense de gema, significando isto que cresci nos Olivais Sul da mui nobre cidade de Lisboa, terra mítica onde regressei há poucos meses para (re)viver e ser mais feliz. Gosto, portanto, do cheiro da relva molhada e de acordar com os pássaros. Sou pai de dois diamantes que, muito provavelmente, são as duas melhores coisinhas que legarei a este mundo. Isto até calha bem, pois está na moda a música sobre gente que anda para aí a produzir diamantes. Gosto de futebol e da irracionalidade que ele comporta, tal como adoro livros, livros bons feitos de ideias, de gente real nas suas virtudes e defeitos, livros a cheirar a vida. Gosto de amigos, dos velhos e dos novos, dos gordos e dos magros, dos letrados e dos vagabundos. Last but not least, sou leão de coração e de clube, verde é a esperança!

Além das bolas e letras, do que mais se fala no blog?

Fala-se de mulheres, louvam-se as mulheres, atrevo-me até a ir em buca desse Santo Graal que é a compreensão, por mais ínfima que seja, dessa bênção da humanidade: as mulheres. Tenho também o mau hábito de elaborar profundas ou estapafúrdias análises sobre o estado da nação, sobre nós, nobres mas estranhos portugueses, bem como sobre a condição humana em geral. O mais certo é isto não levar a nada, mas sempre me distraio e enquanto escrevo não estou a comer ou a pensar em cometer assassinatos em série. Olho para as tags que me acompanham há anos e vejo que já escrevi sobre assuntos tão díspares como a saudade, sexo, vícios, vinho, infância, guerra, função pública, Olivais Sul, etc., etc. Claramente, às bolas e às letras não lhes falta companhia.

Para quem não conhece o blog, por que post recomenda começar a ler o blog?

No Natal de 2011 as prendas que um grupo de amigos trocou entre si foram a leitura de textos escritos pelo seu punho. Aqui fica o testemunho do que escrevi, que se mais utilidade não tem, é pelo menos uma óptima porta de entrada para o blog.

 

Nota que tem mais leitores ou leitoras?

Pelo que me apercebo dos comentários que tenho o privilégio de receber, arrisco dizer que tenho mais leitoras. Mesmo quando o tema é futebol as minhas amigas leoas acompanham o que por aqui se escreve. Os homens são poucos e bons, mesmo os benfiquistas que insistem em dar algum sal à saudável animosidade clubística.

Pode recomendar-nos outro blog alojado no SAPO?

Poderia recomendar muitos, mas fico-me então só por um. Provavelmente, o blog com melhores e mais divertidos cartoons de Portugal e arredores: HenriCartoon.

Obrigado António!

O que faz ali o botão das Leituras?

leituraspublicas.jpg

As Leituras são a área que a comunidade repetidamente nos diz mais gostar de espreitar diariamente, pelo que hoje tornámo-la mais acessível para quem já a usa e mais visível para quem (ainda) não tem blog no SAPO.

 

Qualquer autor ou visitante passa a encontrar o atalho para as Leituras no canto superior direito da homepage do SAPO Blogs, sem precisar de se autenticar.

 

Os autores autenticados que seguirem o atalho passam diretamente à área de Leituras com as suas subscrições.

Os visitantes do SAPO Blogs que não estiverem autenticados são encaminhados para uma área de Leituras diferente, onde podem ler alguns blogs recomendados e ver como funciona. Se gostarem, podem registar-se gratuitamente e passar a seguir os seus blogs SAPO preferidos :)

 

O novo atalho facilita-vos a utilização das Leituras? Têm sugestões, críticas? Deixem o vosso feedback nos comentários :)

Meet the blogger: Ricardo Trindade

ricardo.jpgAs nossas cinco perguntas desta semana foram para o Ricardo, também conhecido no bairro como O Informador.

 

Quem é "O Informador"?

Ora bem, quem é a pessoa por detrás do blog! Divertido, bastante teimoso, desconfiado, trabalhador são talvez algumas das definições que podem considerar este Ricardo que tem andado de trás para a frente com um blog que vai crescendo ao sabor da maré. Alenquerense de gema e onde sempre tenho vivido até aos atuais 28 anos, gosto de passar os tempos livres com os amigos, agarrado ao computador ou com um bom livro como companheiro. A par disso sou apreciador do mundo fascinante do pequeno ecrã onde tudo começou com o nome O Informador.


E porquê este nome para o blog?

O nome do blog é aquela velha questão que ia explicar… Há uns anos pertencia a uma equipa de um site amador sobre televisão, celebridades e onde também tínhamos entrevistas e opinávamos sobre as estreias e produtos em exibição. Com o tempo a mesma equipa começou a entrar em rotura com o administrador desse mesmo portal e numas férias de Verão foi surgindo em mim a ideia de criar um site do género, com fórum e onde poderia ter a mesma equipa que se sentia revoltada com o que não era feito do outro lado.

Assim foi, umas semanas após a ideia ter surgido e o nome estar definido, eis que O Informador é inaugurado como um site televisivo onde as notícias sobre famosos nacionais e internacionais não faltavam, tal como entrevistas, passatempos, opiniões e um fórum que rapidamente cresceu com a transferência dos leitores do site «falido» para o novo projeto da equipa. Só que e tal como sempre tenho acreditado, acho que na vida existem etapas que vão sendo fechadas para darem entrada a novos horizontes. Assim foi, chegou um momento em que percebi que já não estava a funcionar na perfeição com uma equipa onde já não me revia. Na altura e meses antes do final do projeto O Informador enquanto site televisivo e dos famosos falei com a equipa, tentei que alguns fossem aceites em projetos concorrentes e resolvi terminar com tudo. Na altura os gastos, especialmente com um fórum de sucesso, eram mais que os ganhos e não conseguia suportar as coisas sozinho quando nem todos queriam remar no mesmo sentido.

O Informador antigo terminou, fiquei umas semanas parado e já que tinha a licença do nome feita por algum tempo mais comecei a pensar, também com o empurrão de uma amiga, em iniciar um blog pessoal. Assim surgiu um blog pequenino e meio indefinido sem perceber o que queria mesmo fazer com aquilo. Aos poucos fui levado por este mundo e as coisas foram acontecendo, mudança a mudança, etapa a etapa e sempre a pensar que o futuro do projeto será melhor que o passado. Assim tem sido e assim desejo que continue a ser com a ajuda de todos!


O blog já tem dois anos e meio. O que o motiva nesta forma de publicação pessoal?

A motivação é das coisas que mais me entusiasma para seguir em frente e com o blog nada é diferente. Perceber que um simples comentário, favorito ou partilha acontecem já é um bom motivo para fazer mais e melhor. Faço textos pessoais, partilho opiniões críticas, arranjo passatempos e tento andar por aí a visitar quem me visita e no conhecimento dos até então desconhecidos.

 

O Informador passou há pouco tempo a corredor. Porquê a corrida como desporto?

Antes de mais quero explicar que sou um grande preguiçoso! Comecei a correr porque depois de dez anos com o mesmo peso lá consegui engordar uns cinco/seis quilos e tudo ficou pela barriga. Percebi aí e também pelos comentários que os mais próximos iam fazendo sobre a barriguinha que a tinha que retirar sem perder aquele peso que tanto queria ganhar. Uma vez que já tinha andado no ginásio há uns anos e devido aos horários laborais acabei por desistir por não gostar de fazer as coisas nas horas de maior confusão, optei pela corrida livre, por mim próprio e sem ninguém para me chatear, tendo somente um telemóvel a controlar tempos e distâncias graças às abençoadas aplicações que andam por aí. Com isto e umas semanas após o início da experiência de corredor, posso afirmar que consegui perder a barriga, mantive o peso e estou motivado para continuar o que inicialmente achava que não iria em frente por falta de vontade.

Não custa nada correr, os primeiros tempos é andar e aos poucos lá correr um minuto ou dois. No final de umas semanas já se consegue fazer todo o trajeto em corrida e depois é só começar a esticar o tempo e a distância percorridas. O importante e que meti na cabeça é que tenho de me mexer a bem da saúde e para não ficar com um corpo onde não me sinto bem!

 

Que post recomendaria ler primeiro a quem ainda não conhece o seu blog?

Este tema é complicado! Todos os posts são aconselhados porque em todos se podem encontrar partes, opiniões e particularidades pessoais. Não aconselharia assim nenhum em especial, mas aconselho sim a que quem por cá apareça hoje e não encontre algo que lhe interesse que volte daqui a uns dias e volte a pesquisar porque sempre podem surgir novidades do agrado de qualquer um. Estou também por diversas redes sociais onde por vezes deixo escapar frases ou comentários que nem sempre passam pelo blog. Apareçam e fiquem ou vão passando porque acredito que vale a pena! Se não acreditar em mim quem acreditará então?

 

Obrigado, Ricardo!

Quais são as vossas tags favoritas?

tags.png

As tags são uma das melhores formas de filtrar e explorar por tema os milhares de posts publicados diariamente pela comunidade. É por isso que em abril mudámos as páginas de tags para apresentarem excertos dos posts, incluindo imagens e vídeos.

Esta semana acrescentámos mais uma novidade, as nossas tags favoritas. A par das tags mais usadas pelos autores, passamos a recomendar mais algumas tags que os nossos visitantes podem achar interessantes. Se publicarem um post sobre livros, por exemplo, usar a tag Livros garante que o vosso post aparece aqui, ao alcance de mais leitores.

Quais são as vossas tags preferidas? Está na altura de substituir a tag Feira do Livro, por isso contamos com as vossas sugestões nos comentários :)

Meet the blogger: Inês Pinto (things you remember)

ines.jpg

Entrevistámos a Inês Pinto sobre o things you remember, o seu diário de viagens e de melhoria pessoal.

 

Quem é a Inês?

Ah, não sei se me consigo definir muito bem! Mas acho que acima de tudo sou uma pessoa divertida, bem-disposta e trabalhadora. Vivi em Portugal até aos meus 11 anos e depois vivi cerca de três anos no Canadá (Toronto) e mais três nos Estados Unidos (New Jersey). Gosto de referir sempre isso porque faz mesmo parte da minha identidade eu ter passado toda a minha adolescência nesse contexto. Hoje em dia, trabalho numa associação perto de Lisboa e faço voluntariado com outras três organizações. Adoro trabalhar (demais se calhar!), ler e viajar.

Porque decidiu criar um blog?

Desde os meus 10 anos que escrevo num diário e gosto de manter esse hábito de escrever regularmente. É uma coisa muito catártica para mim mas também um exercício divertido para depois poder olhar para trás e relembrar certos momentos. Por causa disso já tive vários blogs ao longo dos anos e o primeiro acho que criei até quando tinha uns 13 anos. Mas este criei-o porque queria muito começar a escrever em português e partilhar as minhas experiências especialmente de viagens e voluntariado.

O "things" ainda é relativamente recente, mas quais as principais lições destes quase seis meses de blog?

Acho que aprendi já duas lições muito importantes: uma menos boa e uma ótima. A menos boa foi que tive que aprender a lidar com comentários menos amigáveis. Alguns dos posts que publiquei causaram alguma polémica surpreendentemente (como por exemplo, o Viajar Sozinha – Parte 1) e houve pessoas que deixaram alguns comentários com palavras que me magoaram sinceramente e tive que aprender a lidar com isso. A lição ótima que aprendi foi, em contrapartida, de me poder apoiar na/os outra/os bloggers do SAPO. A/os bloggers aqui criaram uma verdadeira comunidade de apoio mútuo e eu sinto-me muito feliz por poder fazer parte dela!

Logo no início do blog, partilhou a sua experiência a fazer voluntariado na Índia. O que a levou a procurar essa experiência?

Eu gosto de pensar nas coisas que me metem medo, que me criam inseguranças ou que me desafiam e depois atirar-me a elas de cabeça. Nesse verão de 2011 eu queria fazer voluntariado porque já estava a pensar em ir trabalhar para a área social e queria perceber se era mesmo algo de que eu gostava e que conseguia “aguentar”. Então achei que a melhor maneira de perceber isso era ir para um sítio que à partida me desafiava: comida que eu detestava, uma cultura completamente diferente e (em certos aspetos) mais fechada que a minha, e uma situação muito dramática (a Índia é um país em crescimento rápido mas com imensa pobreza). E foi assim que decidi. Foi difícil mas fiz a escolha acertada sem dúvida.

Pode partilhar um motivo de entusiasmo no horizonte (uma viagem, acontecimento, etc)?

Há muitas coisas que estão para acontecer que me motivam neste momento! A minha melhor amiga ser blogger do SAPO no Japão em Rabiscos e o novo destaque do meu blog (#SocialGoodSunday) são algumas delas. Mas sem dúvida que a que me traz mais entusiasmo é a possibilidade muito real de, depois de 3 anos à distância, poder finalmente ir viver com o meu namorado no final do ano!

 

Obrigado Inês!

Alteração à versão móvel do SAPO Blogs

Ficou mais fácil aceder ao SAPO Blogs a partir do navegador de um smartphone. Se aceder a http://blogs.sapo.pt no navegador do seu smartphone, passa a ter acesso direto à versão completa da área de gestão do Blogs.

Só a navegação entre páginas é ligeiramente diferente, devido ao tamanho reduzido dos ecrãs destes dispositivos. Clicar na barra de navegação laranja, tal como mostramos acima, ativa um menu lateral com todas as opções de gestão que os nossos autores estão habituados a usar em desktop.


Os telemóveis mais antigos continuam a ser encaminhados para a versão móvel do SAPO Blogs.

Como sempre, contamos com o vosso feedback nos comentários :)

Meet the blogger: Sara (Desabafos Agridoces)

sara.jpg

As nossas cinco perguntas desta semana foram para a Sara, autora do Desabafos Agridoces desde 2010.

 

O que a levou a criar um blog?

A história da criação do Desabafos é a mais curta de sempre: era Verão e eu estava a morrer de tédio. Vai daí decidi abrir um blog para me queixar disso mesmo…E para dar opiniões sérias e profundas sobre cenas. Também tive aqui no Sapo um blog antes deste, mas era colectivo e sobre apenas um tema por isso achei que seria giro ter um espaço gerido só por mim. Do género, vamos lá ver no que isto dá…
 
O Desabafos Agridoces está quase a fazer 5 anos. É muito diferente blogar hoje?

Acho que por um lado me tornei mais consciente e por outro mais descontraída desde essa altura…Parece uma contradição mas eu explico: quando comecei o Desabafos não fazia quase ideia do que era todo este universo, seguia muito poucos blogs…É fácil abrir um espaço e começar a escrever: achava que ninguém iria ler aquilo. Com o tempo fui ganhando filtros em relação ao que escrevo. Às vezes não dá para publicar a minha primeira ideia, nem a segunda nem a terceira…Não é como ter um diário fechado na gaveta: é um espaço que pode ser visitado por toda a gente. No início não pensava tanto nestas questões, sobre que assuntos devem ficar na gaveta e que assuntos devem ir para o blog, devo colocá-lo privado ou não…Por outro lado, vai haver sempre pessoas no meio dessas que chegam ao blog que não vão gostar – não concordam, não gostam dos textos, acham que somos isto e aquilo…Não há nada a fazer e com o tempo também se passa a aceitar isso com mais naturalidade. Era comum também no início pensar: será que isto vai agradar? Se calhar devia escrever sobre o tema do momento…Definitivamente a minha perspectiva sobre algumas coisas mudou desde então. Claro que vai sempre haver textos que não ficam tão bons ou que deixam de fazer sentido passado um tempo – nunca somos os mesmos de ontem nem seremos os mesmos amanhã.
 
 
Uma grande componente do blog são as suas leituras. Sempre teve grandes hábitos de leitura?

Sempre gostei de livros, ou seja, não houve um momento em que não gostasse e depois tivesse passado a gostar por qualquer motivo…Nenhuma linha divisória. Quando era bebé, costumam contar-me, entretinha-me muito a folhear coisas. Devia haver qualquer coisa que me atraía nisso, embora objectivamente não possa dizer o quê. Mais tarde comecei a perseguir a minha mãe para que me lesse histórias e depois avancei para os livros de aventuras e juvenis, depois os romances e os clássicos…Fui fazendo a minhas próprias descobertas. Adoro as histórias, com tudo o que elas proporcionam, e adoro as capas, o cheiro das folhas, colocá-los estante – todas essas coisinhas ridículas. Mas não considero que seja muita culta nem nada que se pareça. Gosto de ler o que me apetece, quando me apetece.
 
 
Qual é o post mais comentado no blog? E qual gostaria que tivesse recebido mais feedback?

O post mais comentado foi um chamado Esse Tabu sobre o facto de algumas mulheres optarem por não terem filhos e o julgamento negativo da sociedade em relação a essa escolha…Apesar de ser um tema algo polémico o feedback foi muito positivo. Foi com grande prazer que li os vários testemunhos deixados ali por mães e não mães. Também é para isto que servem os blogs: para trocar ideias e para aprendermos uns com os outros, expandido as nossas formas de pensar. Gosto sempre de receber feedback do que escrevo porque isso significa que houve alguém achou que valia a pena gastar algum do seu tempo com o meu cantinho…Mesmo que sejam poucas pessoas.

Pode recomendar-nos outro blog no SAPO?

Eu tento, mas o meu tento não consegue da Golimix, querida seguidora, e também:  a Magda, a Nathy, o Tiagoa Mulher que ama livros – tudo gente com blogs porreiros.

 

Obrigado Sara!

Meet the blogger: Chef Rui Ribeiro

Chef Rui Ribeiro é o autor de um dos blogs mais doces do bairro, o faz e come, e respondeu a algumas perguntas nossas sobre o seu trabalho e blog.

 

Quem é o Rui Ribeiro?

Um jovem cozinheiro, com 31 anos, que gosta de partilhar aquilo que melhor sabe fazer.

Cozinhar e rir e fotografar são as minhas atividades preferidas. Lidero a cozinha do Restaurante Abrigo do Taboão em Paredes de Coura, dou formação e é entre os tachos que eu sou feliz.

 

O faz e come é um blog de doçaria. Porquê só bolos?

O Faz e come surgiu como resposta à necessidade de registar as receitas que crio e ponho em prática. Funciona, também, como “instrumento” de partilha das mesmas. Não é só um blog de doçaria mas confesso que, cada vez mais, esta necessidade de precisão no cálculo e dosagem dos ingredientes para que o resultado final seja perfeito, me desafia mais do que nas iguarias salgadas que preparo.

 

 

Fotografia do chef Rui Ribeiro, Pavlova de cerejas com marshmallows e chocolate branco.

 

Como surgiu o interesse pela culinária?

Desde pequeno, com 5 ou 6 anos que adorava ajudar a minha mãe a bater bolos e, posteriormente, como a maioria das crianças, a rapar o recipiente... Acho que fez sempre parte da minha vida, lembro-me de comer e desfrutar com as refeições preparadas pela minha avó materna, de quem julgo herdar esta paixão.

 

esta necessidade de precisão no cálculo e dosagem dos ingredientes para que o resultado final seja perfeito, me desafia mais do que nas iguarias salgadas

 

A fotografia é importante na forma como apresenta as suas receitas. É algo que aprendeu sozinho?

Sem dúvida que a imagem é muito importante no ramo da alimentação e mais no mundo das redes sociais.  E porque os olhos são os primeiros a comer, julgo que uma boa imagem retrata toda a emoção e dedicação que colocamos numa  receita. Desde pequeno que o mundo da fotografia me fascina. Sou daqueles que, devido à ansiedade para ver o resultado final, abriam as máquinas fotográficas para ver o rolo e, como conseguinte, estragava algumas fotos. Agora, alguns anos depois e sem rolos, fui aprendendo algumas técnicas e dicas, se bem que gostaria de receber formação nessa área para poder tirar fotos ainda mais bonitas e com cenários “de revista” .

 

Finalmente, quem come os bolos que vemos no blog depois de fotografados? :)

Depois de fotografados, a maior parte dos bolos não são devorados cá em casa. Sim, isso suscita, por vezes, algum reboliço... Colaboro com uma cafetaria/bar e a maior parte das minhas sobremesas são lá vendidas à fatia.

No entanto, tenho uns colegas de trabalho bem  gulosos que ficam felizes quando algum dos meus bolos vai parar, de manhã, à “salinha ao fundo à esquerda” :)

 

Obrigado Rui!

Nunca mais perca um post

Conhecemos a sensação de apagar um post por acidente e não conseguir recuperá-lo. Perder um post ou rascunho é frustrante, mas até aqui pouco havia a fazer. Esperamos mudar isso hoje, com a introdução de uma nova funcionalidade que põe fim à eliminação acidental de conteúdos: a Reciclagem.

reciclagem menu

 

Como funciona?

 

Na reciclagem pode-se consultar o conteúdo de cada item, pesquisar por aquele rascunho mais antigo, e acima de tudo restaurar cada um ao seu estado anterior de publicação. Tudo é mantido e um post restaurado surgirá no seu blog como se nunca tivesse sido eliminado.

 

Está disponível uma nova secção na área de Edição de cada blog de onde é possível recuperar posts ou rascunhos que foram apagados. A partir de agora o ato de apagar um post já não o elimina por completo de um blog, sendo uma cópia de segurança mantida na Reciclagem, e o mesmo acontece com os rascunhos.

reciclagem

 

Os meus posts são guardados para sempre?

 

Não, a reciclagem não é eterna. Os posts e rascunhos aqui guardados serão mantidos durante 90 dias, ao fim dos quais serão eliminados permanentemente. E para os mais apressados, disponibilizamos também a possibilidade de esvaziar a reciclagem por completo.

 

Esperamos que gostem e que vos poupe muitas dores de cabeça. Contamos com o vosso feedback!