Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SAPO Blogs

Este é o blog da equipa do SAPO Blogs.

SAPO Blogs

Este é o blog da equipa do SAPO Blogs.

Meet the blogger: Cláudia Oliveira

claudia.jpg

Esta semana ficámos a conhecer um pouco mais a Cláudia Oliveira, também conhecida como A Mulher que Ama Livros.

 

Quem é a Cláudia? Pode apresentar-se?

O meu nome é Cláudia, sou autora de dois blogues: Cláudia Oliveira e A Mulher Que Ama Livros. Tenho trinta anos, sou mãe de um menino com dezassete meses e estou grávida do próximo. Tenho um canal no Youtube dedicado aos livros. Vivo em Alenquer, adoro música, escrever e não gosto de ver televisão. Dormir, comer e ler são os meus verbos preferidos. Sou uma pessoa divertida, sempre com vontade de fazer muitas coisas. Adoro um bom desafio e, apesar de ponderada, costumo arriscar. Tenho mau feitio, mas já me identifiquei mais com essa característica. O meu maior defeito, para além de cantar músicas numa língua que só eu conheço é sem dúvida o facto de desconfiar muito da bondade dos outros.

Com qual dos seus blogs se identifica mais?

Criei A Mulher Que Ama Livros depois de ter o blog Cláudia Oliveira. O blog Cláudia Oliveira existe desde 2008, mas estou nos blogues Sapo desde 2006. Vi o crescimento, a evolução e gosto muito de cá andar. Aliás, consegui influenciar o meu melhor amigo (O Homem Certo) e a minha irmã mais nova (Delícia de Amêndoa) a criarem um blog.

O blog A Mulher Que Ama Livros nasceu da minha necessidade de falar sobre livros. Na altura só conhecia um blog dedicado aos livros em exclusivo, felizmente somos mais. O meu canal no Youtube precisava de um complemento, um blog foi a melhor opção. Escolher entre os dois é complicado, mas posso afirmar que A Mulher Que Ama Livros me define, os livros constroem permanentemente grande parte da minha personalidade. É escrito com o melhor lado do coração, sem usar o mau feitio esporádico. Já no blog Cláudia Oliveira os meus defeitos estão transformados em textos. O meu lado mais refilão e sem paciência. Tenho um carinho maior pelo blog sobre livros, apesar do primogénito me ter recompensado mais.

Como surgiu o seu amor pelos livros?

O meu amor pelos livros surgiu quando era muito nova, desde que sei ler. Pedia livros em vez de brinquedos nos aniversários e no Natal. De maneira a afastar-me da realidade e superar a perda do meu pai aos oito anos, comecei a ler as histórias dos outros. Os livros continuam a ser o meu refugio até hoje. Ainda hoje são uma espécie de terapia. Os livros aproximaram-me do Mundo, ajudaram-me a compreender as pessoas e deram-me respostas que precisava na infância e adolescência. Os livros são muito importantes para mim.

Recentemente, criei o Clube dos Clássicos Vivos e estou muito entusiasmada com este projecto. Um grupo de pessoas vai trocar impressões sobre um clássico da literatura todos os meses. Também está a decorrer a Maratona Gelo e Fogo, dedicada aos livros de George RR Martin. Tem sido uma experiência fantástica. Os livros tornam-me numa pessoa mais criativa e completa.

Qual é o grande desafio de blogar em vídeo? E a principal oportunidade?

Quando descobri os booktubers (comunidade no Youtube dedicada aos livros) não encontrei um único canal português sobre livros. Sempre achei interessante falar para as câmaras. Dar a cara por um projecto, uma causa. O maior desafio como booktuber é conseguir transmitir sentimentos/emoções sobre um livro através das palavras num curto espaço de tempo. Quando recebo um comentário "li este livro por causa de ti e gostei muito" o objectivo é cumprido com sucesso.

A principal recompensa é ter com quem falar sobre livros com os mesmos gostos literários. Aprendi bastante com os vídeos no Youtube: a perder a timidez, a assumir as minhas opiniões e a sair da minha zona de conforto. Tive a oportunidade de conhecer pessoas incríveis por causa do Youtube, de fazer uma participação no Canal Q. Recebo livros de novos escritores para transmitir a minha opinião, o que me deixa lisonjeada. Também faço alguns passatempos com parceria de algumas editoras.

Gravar vídeos para o Youtube sobre livros faz-me feliz.

Pode partilhar connosco o melhor livro que leu até agora este ano?

Este ano li livros incríveis. Gostava de falar nos livros do George RR Martin, no Memorial do Convento de Saramago, no Sentido do Fim de Julian Barnes, n'O Museu da Inocência de Orhan Pamuk, mas vou destacar apenas um. O livro Laranja Mecânica de Anthony Burgess mexeu muito comigo, fez-me reflectir e passou a integrar a minha lista de livros preferidos da vida.

 

Obrigado, Cláudia!

Em resumo (caso tenha perdido estas novidades nos Blogs)

Os lançamentos dos últimos meses têm mantido a equipa muito ocupada, pelo que vale a pena recapitular aqui as principais novidades lançadas recentemente no SAPO Blogs:

- há duas semanas tornámos mais seguro e fácil comentar blogs alojados no SAPO. Para comentar um blog SAPO deixou de ser necessário introduzir os dados de autenticação em diferentes blogs, assim como de preencher tantas vezes o nosso CAPTCHA;

- antes disso, no início de junho, anunciámos a Reciclagem, uma forma de evitar a eliminação acidental de posts e rascunhos;

- em maio, lançámos a funcionalidade Posts destacados, que permite aos autores dos blogs destacarem os melhores conteúdos dos seus blogs;

- finalmente, em abril, começámos a servir uma fornada diária de Blogs quentes, uma experiência da equipa que dá visibilidade aos posts mais comentados pela comunidade.

Já estamos a trabalhar nas próximas novidades, mas queremos saber: o que gostariam de ver a seguir? Como sempre, contamos com o vosso feedback e sugestões nos comentários ou por e-mail

Meet the blogger: Helder Guégués

helder.jpg

O Helder Guégués escrutina diariamente o uso da língua portuguesa no Linguagista desde 2011. Colocámos-lhe cinco questões sobre o blog.

 

Pode apresentar-se?

O meu nome é Helder Guégués e sou o autor do blogue Linguagista, o meu segundo blogue em dez anos. Em Setembro, se o mundo não acabar entretanto, serei também conhecido pela autoria do livro Em Português, Se Faz Favor, publicado pela Guerra & Paz, uma obra sobre alguns dos erros mais comuns na língua portuguesa, com abundantes exemplos e soluções.

Porque decidiu criar um blog?

Depois de anos a fio a anotar laboriosamente cadernos de apontamentos com abonações, usos menos vulgares, erros clamorosos, senti que estava na hora de usar um meio mais prático e optei por um blogue. Mas fi-lo num impulso, e no mesmo momento da sua criação ponderei mantê-lo privado, o que acabou por não acontecer. Digamos, então, que o meu blogue (primeiro o Assim Mesmo e, agora, o Linguagista) não é mais do que o meu diário, ou a parte dele que diz respeito à língua e posso tornar pública.

No Linguagista, o Helder é muito vigilante em relação aos erros de português na comunicação social. Nota que a quantidade de erros tem vindo a aumentar ou a diminuir?

Não apenas na comunicação social, mas é sobre esta, sem qualquer dúvida, que assesto o meu olhar crítico, pelas repercussões que, difundido pela comunicação social, qualquer erro tem. Mesmo com as baixas tiragens que os nossos jornais e revistas têm, o que dá bem a medida do país que somos, as repercussões de um erro num jornal é imensamente maior do que o mesmo erro num qualquer livro. Os erros na rádio e na televisão, que ainda chegam a mais pessoas, são, em parte, de outra natureza, e por isso menos escrutinados por mim. A minha impressão é que não apenas há mais erros, como são mais graves e repetidos, o que mostra que os falantes não aprendem. O Acordo Ortográfico de 1990 só veio agravar o que já era mau.

 

Qual é o erro de português que mais lhe custa encontrar ao ler um texto?

Já vi de tudo, ou quase, mas repetido e grave, e capaz de me levar à apoplexia, é usar-se no plural o verbo «haver» quando significa existir. E neste caem até magníficos reitores. Darei um exemplo, como faço em todas as entradas do meu livro. Recentemente, Adolfo Mesquita Nunes, secretário de Estado do Turismo, disse, a propósito da competência da Câmara Municipal de Lisboa para criar a taxa de turismo: «Diria que neste momento não tenho de me pronunciar sobre isso. Aliás, a taxa ainda não existe, ela não foi ainda aprovada, poderão haver alterações.»

 

Pode recomendar-nos outro blog no SAPO que siga?

A verdade é que não tenho muito tempo para seguir blogues, já que ocupo demasiado tempo com o meu. Desde que tenho blogues, já publiquei mais de dez mil posts, e, se com alguns perco tão-somente 15 minutos, com outros despendo horas. Ainda assim, tenho por hábito ver a página dos blogues do Sapo e os posts em destaque, e por vezes acontecem surpresas. Que sobra? Quando aparecer um blogue semelhante ao meu, que dedique atenção permanente à língua, não de forma bissexta, mas diuturna, já deixarei o meu e passarei a ler os dos outros. Não é outro o meu desejo.

 

Obrigado, Helder!

Meet the blogger: Vanessa Moreira

vanessa.jpg

Vanessa criou o nuages dans mon café em outubro do ano passado, mas já é uma cara familiar da comunidade. Colocámos-lhe cinco perguntas para a ficar a conhecer melhor.

 

A Vanessa apresenta-se como artista multimédia na sua bio. Quais são as suas ambições profissionais?

Quando entrei para o curso, achei que ao terminá-lo iria ter muitas saídas e arranjaria logo trabalho, aliás, isso é o sonho de qualquer estudante universitário, porém nada disso aconteceu. Neste momento encontro-me num estágio, que pouco tem a ver com a minha área, mas tento fazer algo à parte para poder divulgar o meu talento, digamos assim, acrescentando coisas novas ao meu portefólio e, possivelmente, ter futuros clientes. Julgo que as minhas ambições passam muito por aí, ter o meu próprio negócio ou conseguir um trabalho na área.

 

Porque decidiu criar um blog?

Na altura em que criei o blog necessitava mesmo de ter um escape à universidade e ao stress pelo qual estava a passar, por isso achei que a melhor forma de me distrair seria tendo um blog, onde pudesse falar do meu dia-a-dia, de mostrar as coisas que encontrava na internet, de dar opinião sobre qualquer coisa da actualidade, etc.. A partir do momento em que comecei a conviver mais com os outros blogs, foi como uma bola de neve e... aqui estou eu ainda.

Qual é o post mais comentado do seu blog até hoje?
O post mais comentado foi o Game of Thrones, why?, embora eu não ache que seja o melhor. Apenas dei a minha opinião sobre o último episódio da série e gerou-se uma conversa à volta disso e sobre verem ou não verem a série. Para mim, de entre os mais comentados, o melhor é sobre as coisas que eu não gosto de ver em blogs, onde deixei dicas de coisas que costumam tornar os blogs desinteressantes e que os bloggers poderiam pegar e melhorar o seu espaço, isto é, se concordassem com elas.

 

 

nuages.jpg

 

O Nuages já passou por vários designs. Quão importante é o design do blog para a sua motivação como blogger?

Bastante importante. Sou uma pessoa que está em constante aprendizagem, super curiosa por coisas novas e adoro inventar. Se tenho um espaço que é meu e não me sinto bem com ele, não faz sentido nenhum continuar a usá-lo. É igual a termos a nossa casa decorada de uma determinada forma e às vezes achamos que aquele objecto já não faz sentido nenhum estar naquela posição ou naquele lugar, então aí pegamos nele e mudamos de sítio para ficar ao nosso gosto. Aquilo que eu tenho notado quanto ao blog e às mudanças pelas quais ele tem passado é que cada vez está mais à minha imagem, pois reflecte os meus gostos, a minha maneira de ser e aquilo que eu gosto de fazer. Essas mudanças fazem-me ganhar motivação que certamente não teria se tivesse o mesmo design do início.

 

"É tão mau gostar do conteúdo de um blog e ele ter um design que varia entre o rosa e o azul fluorescente"

Em termos de design, existe alguma coisa que a faça desistir de ler um blog?

Quando fiz o post sobre as coisas que eu não gosto de ver em blogs, houve quem nunca tivesse reparado que tinha essas coisas e que isso afastava as pessoas, foi algo que me fez pensar sobre os nossos próprios gostos e o que os outros acham deles. Aquilo que mais me faz desistir de um blog é o design. É tão mau gostar do conteúdo de um blog e ele ter um design que varia entre o rosa e o azul fluorescente ou ter links desses no meio dos textos ou simplesmente ter um template que vinha assim, fica assim e nem se dão ao trabalho de o cuidar. Aí, por muito bom que seja o conteúdo, acabo por perder completamente o interesse de o ler, porque não tenho olhos para aguentar aquelas cores e até certo ponto acaba por ser incomodativo quando a imagem total do blog não mostra cuidado nem amor por aquele espaço. Nisto da blogosfera, a imagem mostra imenso sobre nós e se queremos que as pessoas se lembrem de nós, deveremos ter uma imagem no nosso espaço que marque pelos bons motivos, o que não quer dizer que tenhamos de ter algo elaborado, mas pequenas e simples mudanças fazem a diferença.

 

Obrigado Vanessa!

Comentários mais seguros e rápidos

Um blog não é feito apenas de posts, também vive dos comentários feitos pelos seus leitores. Sabemos o quão importante esse feedback é para a motivação de muitos dos nossos autores, pelo que esta manhã introduzimos algumas melhorias ao formulário de comentários que tornam mais seguro e fácil comentar um blog SAPO.

 

comentarios.jpg

 

A mudança mais visível é para os autores e leitores que queiram autenticar-se nos comentários. A partir de hoje, a autenticação passa a ser feita exclusivamente na página de login do SAPO. Deixa de ser possível inserir dados de login na página do post que queiram comentar. Esta alteração aumenta a segurança dos dados de sessão, que são processados em exclusivo e de forma segura pelo SAPO ID, e diminui a inconveniência que é repetir a autenticação em vários blogs.

 

captcha.jpg

Achamos uma seca obrigar alguém a "provar" que é humano para poder publicar um comentário, pelo que aproveitámos esta oportunidade para fazer algo em relação a isso. Não acabámos com o nosso CAPTCHA, que serve para diferenciar humanos de computadores programados para publicar SPAM, mas tornámo-lo mais inteligente, de maneira a aparecer menos vezes e a menos leitores sem baixar as defesas ao SPAM. Isto facilita a vida a qualquer leitor, autenticado ou não, que queira comentar um blog SAPO sem complicações.

 

Posto isto, estamos ansiosos por ler os vossos comentários, com as vossas sugestões e tudo o que acharem que pode melhorar a experiência de utilização do SAPO Blogs.

Meet the blogger: António (Bolas e Letras)

Antonio.jpg

Fomos conhecer um pouco melhor o autor do blog Bolas e Letras, no SAPO desde 2008.

 

Quem é o António?

Sou um tipo normal que não gosta muito de falar de si, mas ter um blog é também isso, pelo que vamos em frente! Como se perceberá pelo título do blog e como dizia o poeta tenho muitos “eus”. Tenho quarenta anos mas gosto de me sentir como se tivesse 20, porque a criança dentro de mim teima em manter a chama acesa. Sou um olivalense de gema, significando isto que cresci nos Olivais Sul da mui nobre cidade de Lisboa, terra mítica onde regressei há poucos meses para (re)viver e ser mais feliz. Gosto, portanto, do cheiro da relva molhada e de acordar com os pássaros. Sou pai de dois diamantes que, muito provavelmente, são as duas melhores coisinhas que legarei a este mundo. Isto até calha bem, pois está na moda a música sobre gente que anda para aí a produzir diamantes. Gosto de futebol e da irracionalidade que ele comporta, tal como adoro livros, livros bons feitos de ideias, de gente real nas suas virtudes e defeitos, livros a cheirar a vida. Gosto de amigos, dos velhos e dos novos, dos gordos e dos magros, dos letrados e dos vagabundos. Last but not least, sou leão de coração e de clube, verde é a esperança!

Além das bolas e letras, do que mais se fala no blog?

Fala-se de mulheres, louvam-se as mulheres, atrevo-me até a ir em buca desse Santo Graal que é a compreensão, por mais ínfima que seja, dessa bênção da humanidade: as mulheres. Tenho também o mau hábito de elaborar profundas ou estapafúrdias análises sobre o estado da nação, sobre nós, nobres mas estranhos portugueses, bem como sobre a condição humana em geral. O mais certo é isto não levar a nada, mas sempre me distraio e enquanto escrevo não estou a comer ou a pensar em cometer assassinatos em série. Olho para as tags que me acompanham há anos e vejo que já escrevi sobre assuntos tão díspares como a saudade, sexo, vícios, vinho, infância, guerra, função pública, Olivais Sul, etc., etc. Claramente, às bolas e às letras não lhes falta companhia.

Para quem não conhece o blog, por que post recomenda começar a ler o blog?

No Natal de 2011 as prendas que um grupo de amigos trocou entre si foram a leitura de textos escritos pelo seu punho. Aqui fica o testemunho do que escrevi, que se mais utilidade não tem, é pelo menos uma óptima porta de entrada para o blog.

 

Nota que tem mais leitores ou leitoras?

Pelo que me apercebo dos comentários que tenho o privilégio de receber, arrisco dizer que tenho mais leitoras. Mesmo quando o tema é futebol as minhas amigas leoas acompanham o que por aqui se escreve. Os homens são poucos e bons, mesmo os benfiquistas que insistem em dar algum sal à saudável animosidade clubística.

Pode recomendar-nos outro blog alojado no SAPO?

Poderia recomendar muitos, mas fico-me então só por um. Provavelmente, o blog com melhores e mais divertidos cartoons de Portugal e arredores: HenriCartoon.

Obrigado António!

O que faz ali o botão das Leituras?

leituraspublicas.jpg

As Leituras são a área que a comunidade repetidamente nos diz mais gostar de espreitar diariamente, pelo que hoje tornámo-la mais acessível para quem já a usa e mais visível para quem (ainda) não tem blog no SAPO.

 

Qualquer autor ou visitante passa a encontrar o atalho para as Leituras no canto superior direito da homepage do SAPO Blogs, sem precisar de se autenticar.

 

Os autores autenticados que seguirem o atalho passam diretamente à área de Leituras com as suas subscrições.

Os visitantes do SAPO Blogs que não estiverem autenticados são encaminhados para uma área de Leituras diferente, onde podem ler alguns blogs recomendados e ver como funciona. Se gostarem, podem registar-se gratuitamente e passar a seguir os seus blogs SAPO preferidos :)

 

O novo atalho facilita-vos a utilização das Leituras? Têm sugestões, críticas? Deixem o vosso feedback nos comentários :)

Meet the blogger: Ricardo Trindade

ricardo.jpgAs nossas cinco perguntas desta semana foram para o Ricardo, também conhecido no bairro como O Informador.

 

Quem é "O Informador"?

Ora bem, quem é a pessoa por detrás do blog! Divertido, bastante teimoso, desconfiado, trabalhador são talvez algumas das definições que podem considerar este Ricardo que tem andado de trás para a frente com um blog que vai crescendo ao sabor da maré. Alenquerense de gema e onde sempre tenho vivido até aos atuais 28 anos, gosto de passar os tempos livres com os amigos, agarrado ao computador ou com um bom livro como companheiro. A par disso sou apreciador do mundo fascinante do pequeno ecrã onde tudo começou com o nome O Informador.


E porquê este nome para o blog?

O nome do blog é aquela velha questão que ia explicar… Há uns anos pertencia a uma equipa de um site amador sobre televisão, celebridades e onde também tínhamos entrevistas e opinávamos sobre as estreias e produtos em exibição. Com o tempo a mesma equipa começou a entrar em rotura com o administrador desse mesmo portal e numas férias de Verão foi surgindo em mim a ideia de criar um site do género, com fórum e onde poderia ter a mesma equipa que se sentia revoltada com o que não era feito do outro lado.

Assim foi, umas semanas após a ideia ter surgido e o nome estar definido, eis que O Informador é inaugurado como um site televisivo onde as notícias sobre famosos nacionais e internacionais não faltavam, tal como entrevistas, passatempos, opiniões e um fórum que rapidamente cresceu com a transferência dos leitores do site «falido» para o novo projeto da equipa. Só que e tal como sempre tenho acreditado, acho que na vida existem etapas que vão sendo fechadas para darem entrada a novos horizontes. Assim foi, chegou um momento em que percebi que já não estava a funcionar na perfeição com uma equipa onde já não me revia. Na altura e meses antes do final do projeto O Informador enquanto site televisivo e dos famosos falei com a equipa, tentei que alguns fossem aceites em projetos concorrentes e resolvi terminar com tudo. Na altura os gastos, especialmente com um fórum de sucesso, eram mais que os ganhos e não conseguia suportar as coisas sozinho quando nem todos queriam remar no mesmo sentido.

O Informador antigo terminou, fiquei umas semanas parado e já que tinha a licença do nome feita por algum tempo mais comecei a pensar, também com o empurrão de uma amiga, em iniciar um blog pessoal. Assim surgiu um blog pequenino e meio indefinido sem perceber o que queria mesmo fazer com aquilo. Aos poucos fui levado por este mundo e as coisas foram acontecendo, mudança a mudança, etapa a etapa e sempre a pensar que o futuro do projeto será melhor que o passado. Assim tem sido e assim desejo que continue a ser com a ajuda de todos!


O blog já tem dois anos e meio. O que o motiva nesta forma de publicação pessoal?

A motivação é das coisas que mais me entusiasma para seguir em frente e com o blog nada é diferente. Perceber que um simples comentário, favorito ou partilha acontecem já é um bom motivo para fazer mais e melhor. Faço textos pessoais, partilho opiniões críticas, arranjo passatempos e tento andar por aí a visitar quem me visita e no conhecimento dos até então desconhecidos.

 

O Informador passou há pouco tempo a corredor. Porquê a corrida como desporto?

Antes de mais quero explicar que sou um grande preguiçoso! Comecei a correr porque depois de dez anos com o mesmo peso lá consegui engordar uns cinco/seis quilos e tudo ficou pela barriga. Percebi aí e também pelos comentários que os mais próximos iam fazendo sobre a barriguinha que a tinha que retirar sem perder aquele peso que tanto queria ganhar. Uma vez que já tinha andado no ginásio há uns anos e devido aos horários laborais acabei por desistir por não gostar de fazer as coisas nas horas de maior confusão, optei pela corrida livre, por mim próprio e sem ninguém para me chatear, tendo somente um telemóvel a controlar tempos e distâncias graças às abençoadas aplicações que andam por aí. Com isto e umas semanas após o início da experiência de corredor, posso afirmar que consegui perder a barriga, mantive o peso e estou motivado para continuar o que inicialmente achava que não iria em frente por falta de vontade.

Não custa nada correr, os primeiros tempos é andar e aos poucos lá correr um minuto ou dois. No final de umas semanas já se consegue fazer todo o trajeto em corrida e depois é só começar a esticar o tempo e a distância percorridas. O importante e que meti na cabeça é que tenho de me mexer a bem da saúde e para não ficar com um corpo onde não me sinto bem!

 

Que post recomendaria ler primeiro a quem ainda não conhece o seu blog?

Este tema é complicado! Todos os posts são aconselhados porque em todos se podem encontrar partes, opiniões e particularidades pessoais. Não aconselharia assim nenhum em especial, mas aconselho sim a que quem por cá apareça hoje e não encontre algo que lhe interesse que volte daqui a uns dias e volte a pesquisar porque sempre podem surgir novidades do agrado de qualquer um. Estou também por diversas redes sociais onde por vezes deixo escapar frases ou comentários que nem sempre passam pelo blog. Apareçam e fiquem ou vão passando porque acredito que vale a pena! Se não acreditar em mim quem acreditará então?

 

Obrigado, Ricardo!

Quais são as vossas tags favoritas?

tags.png

As tags são uma das melhores formas de filtrar e explorar por tema os milhares de posts publicados diariamente pela comunidade. É por isso que em abril mudámos as páginas de tags para apresentarem excertos dos posts, incluindo imagens e vídeos.

Esta semana acrescentámos mais uma novidade, as nossas tags favoritas. A par das tags mais usadas pelos autores, passamos a recomendar mais algumas tags que os nossos visitantes podem achar interessantes. Se publicarem um post sobre livros, por exemplo, usar a tag Livros garante que o vosso post aparece aqui, ao alcance de mais leitores.

Quais são as vossas tags preferidas? Está na altura de substituir a tag Feira do Livro, por isso contamos com as vossas sugestões nos comentários :)

Meet the blogger: Inês Pinto (things you remember)

ines.jpg

Entrevistámos a Inês Pinto sobre o things you remember, o seu diário de viagens e de melhoria pessoal.

 

Quem é a Inês?

Ah, não sei se me consigo definir muito bem! Mas acho que acima de tudo sou uma pessoa divertida, bem-disposta e trabalhadora. Vivi em Portugal até aos meus 11 anos e depois vivi cerca de três anos no Canadá (Toronto) e mais três nos Estados Unidos (New Jersey). Gosto de referir sempre isso porque faz mesmo parte da minha identidade eu ter passado toda a minha adolescência nesse contexto. Hoje em dia, trabalho numa associação perto de Lisboa e faço voluntariado com outras três organizações. Adoro trabalhar (demais se calhar!), ler e viajar.

Porque decidiu criar um blog?

Desde os meus 10 anos que escrevo num diário e gosto de manter esse hábito de escrever regularmente. É uma coisa muito catártica para mim mas também um exercício divertido para depois poder olhar para trás e relembrar certos momentos. Por causa disso já tive vários blogs ao longo dos anos e o primeiro acho que criei até quando tinha uns 13 anos. Mas este criei-o porque queria muito começar a escrever em português e partilhar as minhas experiências especialmente de viagens e voluntariado.

O "things" ainda é relativamente recente, mas quais as principais lições destes quase seis meses de blog?

Acho que aprendi já duas lições muito importantes: uma menos boa e uma ótima. A menos boa foi que tive que aprender a lidar com comentários menos amigáveis. Alguns dos posts que publiquei causaram alguma polémica surpreendentemente (como por exemplo, o Viajar Sozinha – Parte 1) e houve pessoas que deixaram alguns comentários com palavras que me magoaram sinceramente e tive que aprender a lidar com isso. A lição ótima que aprendi foi, em contrapartida, de me poder apoiar na/os outra/os bloggers do SAPO. A/os bloggers aqui criaram uma verdadeira comunidade de apoio mútuo e eu sinto-me muito feliz por poder fazer parte dela!

Logo no início do blog, partilhou a sua experiência a fazer voluntariado na Índia. O que a levou a procurar essa experiência?

Eu gosto de pensar nas coisas que me metem medo, que me criam inseguranças ou que me desafiam e depois atirar-me a elas de cabeça. Nesse verão de 2011 eu queria fazer voluntariado porque já estava a pensar em ir trabalhar para a área social e queria perceber se era mesmo algo de que eu gostava e que conseguia “aguentar”. Então achei que a melhor maneira de perceber isso era ir para um sítio que à partida me desafiava: comida que eu detestava, uma cultura completamente diferente e (em certos aspetos) mais fechada que a minha, e uma situação muito dramática (a Índia é um país em crescimento rápido mas com imensa pobreza). E foi assim que decidi. Foi difícil mas fiz a escolha acertada sem dúvida.

Pode partilhar um motivo de entusiasmo no horizonte (uma viagem, acontecimento, etc)?

Há muitas coisas que estão para acontecer que me motivam neste momento! A minha melhor amiga ser blogger do SAPO no Japão em Rabiscos e o novo destaque do meu blog (#SocialGoodSunday) são algumas delas. Mas sem dúvida que a que me traz mais entusiasmo é a possibilidade muito real de, depois de 3 anos à distância, poder finalmente ir viver com o meu namorado no final do ano!

 

Obrigado Inês!